Verificações

Henrique Margaroto, Advogado
Henrique Margaroto
OAB 435.766/SP VERIFICADO
O Jusbrasil confirmou que esta OAB é autêntica
PRO
Desde Novembro de 2019

Principais áreas de atuação

Direito Tributário, 25%

É o segmento do direito financeiro que define como serão cobrados dos cidadãos os tributos e outr...

Direito Civil, 25%

É o principal ramo do direito privado. Trata-se do conjunto de normas (regras e princípios) que r...

Direito Imobiliário, 25%

É o ramo do direito privado que trata e regulamenta vários aspectos da vida privada, tais quais o...

Direito do Consumidor, 25%

É um ramo do direito que lida com conflitos de consumo e com a defesa dos direitos dos consumidor...

Correspondência Jurídica

Serviços prestados
Peças
Recursos
Audiências
Conciliação

Primeira Impressão

(2)
(2)

2 avaliações ao primeiro contato

Comentários

(2)
Henrique Margaroto, Advogado
Henrique Margaroto
Comentário · há 4 anos
Tratar de corrupção é tratar de um assunto complicado. Por óbvio o governo é reflexo do povo pois:” Todo poder emana do povo, que o exerce diretamente ou através de seus representantes...”. Porém, para se ter uma visão clara da situação, é necessário que se analise historicamente o Brasil.
A colônia portuguesa e seus diversos membros foram, por muito tempo, explorados de diversas formas, com tributos abusivos, total descaso a dignidade, entre outras coisas. Fato que se repetiu, se reiterou, e que, apesar de todas as garantias cedidas, ainda é possível se observar nos dias de hoje. O abuso gera corrupção, o descaso gera corrupção. Não há um ser humano se quer que consiga agir com total integridade e ética em um ambiente onde se vê completamente explorado. É a natureza humana. O instinto de proteção do animal faz com que ele procure meios e formas de se proteger, diria até, meios de sobreviver. Estamos portanto diante de um ciclo vicioso onde o povo se corrompe por conta do governo e o governo se corrompe por conta de seu povo! O IBPT (Instituto brasileiro de planejamento e tributação) apresentou um estudo feito com trinta países, onde o Brasil se mostra como o Estado em que os impostos menos se convertem em serviços para população. Isso de forma alguma é justificativa para que possamos ser corruptos ou agir na ilicitude, porém traz a visão de que, tem a soberania e os governantes grande parcela de culpa. A atitude, ou melhor, o “exemplo”, tem um poder que as palavras jamais terão. Imagine se, precisássemos utilizar um hospital público e chegando lá, nos deparássemos com um ambiente moderno, eficaz, ágil, com tratamento de primeira, que suprisse todas as nossas expectativas. Ou então, se deixássemos nossos filhos em uma escola pública, e fosse uma escola de primeira linha, com professores bem pagos e com estrutura de primeira. O que isso faria? Acredito que isso seria capaz de constranger as pessoas: Se tenho tudo que preciso, ou ao menos, o básico de que preciso, por que terei atitudes ilegais? Por que teria que recorrer ao “jeitinho brasileiro”?
Fato é que a educação, os princípios, a ética e a moral são indispensáveis para a evolução, em todos os aspectos de uma sociedade. Porém, se tratando de corrupção, os governos devem ser os primeiros a adotar medidas preventivas e punitivas eficazes. Afinal são suas decisões que afetam todo o resto. Por fim, a esperança, é que possamos solucionar tais problemas em nosso país, independente das medidas adotadas, e que possamos crescer quanto Estado, quanto nação e quanto pessoas.

Recomendações

(15)

Perfis que segue

(11)
Carregando

Seguidores

(5)
Carregando

Tópicos de interesse

(20)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres
Fale agora com Henrique
(11) 94383-...
Ver telefone

Henrique Margaroto

Entrar em contato